Rio Grande do Norte festeja canonização dos mártires

Canonização acontece 372 anos após massacre praticado por holandeses

O Estado do Rio Grande do Norte está em festa. E não é para menos. O papa Francisco canonizou no domingo, dia 15 de outubro, os 30 mártires brutalmente assassinados em dois massacres no ano de 1645 durante o período de dominação holandesa.

Entre os novos santos estão os padres André de Soveral e Ambrosio Francisco Ferro.

As vítimas foram praticamente esquartejadas durante o massacre. Uma delas, Mateus Moreira, repetia a expressão “Louvado seja o Santíssimo Sacramento” enquanto tinha o coração arrancado pelas costas.

Os mártires foram assassinados nas localidades de Cunhaú e Uruaçu, que correspondem hoje aos municípios de Canguaretama e São Gonçalo do Amarante. No total foram mortas 150 pessoas, mas apenas 30 foram identificadas.

O papa Francisco dispensou a comprovação de milagres para justificar a canonização devido ao tempo do martírio, 372 anos, e à devoção do povo potiguar aos mártires.

A canonização aconteceu durante missa com a presença de 35 mil fieis no Vaticano e foi acompanhada, ao vivo, por milhares de pessoas naquele estado.

No final da missa, o papa Francisco convocou uma reunião especial dos bispos para discutir a evangelização na Amazônia e também os problemas enfrentados naquela região do país.