Padre Cícero ainda não pode ser beatificado; saiba porque

A reconciliação da Igreja não encerra a suspensão do sacerdote, há mais de um século

Quase dois anos após o Vaticano conceder a reconciliação a padre Cícero Romão Batista, o “Padim Ciço”, ainda está longe a possibilidade da sua beatificação.

De acordo com o chanceler da Diocese de Crato (CE), padre Rocildo Alves de Lima Filho, o Vaticano reconheceu a mística e o trabalho pastoral do padre nordestino, mas ainda estão em aberto os estudos sobre as atitudes que o levaram a ser suspenso de suas ordens sacerdotais.

“Somente após o encerramento desses estudos, que não tem prazo para ocorrer, que se pode iniciar o levantamento de documentação para o processo de beatificação”, explicou o padre Rocildo.

A Igreja Católica suspendeu as ordens sacerdotais de padre Cícero por causa de um suposto milagre que acontecia nas missas que ele celebrava e que nunca foi reconhecido pela Igreja. Os estudiosos dizem que, por sua intervenção, hóstias se transformaram em sangue quase 200 vezes em dois anos. Quando morreu, há 81 anos, o padre Cícero não podia celebrar uma missa.

monumento construído em homenagem a Padre Cícero, localizado em Juazeiro do Norte (foto: Domínio Público)

Padre Cícero morreu suspenso da Igreja, mas em 2015 a equipe de Direito Canônico do Vaticano decidiu que a Igreja deveria conceder a reconciliação, permitindo assim que os fiéis realizem sua devoção com a aprovação da Santa Fé.

Na carta enviada à Diocese de Crato pelo secretário especial do papa Francisco, o Vaticano destacou a fé simples e a devoção do sacerdote à Nossa Senhora. O papa ainda caracterizou o seu modo de evangelização, vivido no final do século 19 e início do 20, como atual. “Atitude de saída, ao encontro das periferias existenciais, a atitude do padre Cícero em acolher a todos, especialmente aos pobres e sofredores, aconselhando-os e abençoando-os, constitui sem dúvida, um sinal importante e atual.”

Para o chanceler, a decisão do Vaticano trouxe alegria aos corações dos fieis e mostrou que a Igreja está mais aberta ao padre Cícero. “A devoção crescia mesmo sem a reconciliação. Do ponto da fé pessoal, o gesto não mudou nada, mas trouxe muita alegria”, comentou o chanceler.

A devoção ao Padim Ciço atrai milhares de fieis todos os anos até Juazeiro do Norte, no interior do Ceará, principalmente no dia 20 de julho, data de sua morte. A peregrinação também é grande nos dias 2 de fevereiro, quando ocorre a Romaria das Candeias; dia 15 de setembro, Romaria de Nossa Senhora das Dores; e no dia 2 de novembro (Finados). Todo dia 20 de cada mês é celebrada uma missa às 6 horas em memória de padre Cicero.